Programas de prevenção de riscos resultam em economia e melhoria da qualidade de vida de beneficiários

Adalton dos Anjos

Estudos realizados nos 34 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicam que para cada dólar investido em prevenção de saúde economizam-se três. As ações das operadoras para a promoção de hábitos saudáveis voltados para a prevenção de riscos e doenças têm sido cada vez mais diversificadas na tentativa de atrair clientes e diminuir os custos. A Sul América Saúde, por exemplo, investe cerca de R$ 1,5 milhão por mês no seu programa Saúde Ativa, que já atendeu 200 mil segurados. Em compensação, em termos financeiros, os resultados de 2010 mostram que o grupo de ativos no programa foi 15% melhor em comparação aos outros clientes.

“Os retornos dos investimentos em saúde preventiva são obtidos a médio e longo prazo. Primeiramente visamos a conscientização da população sobre a importância e bons hábitos e depois estimulamos a utilização dos serviços disponibilizados pelos programas que geram maior controle do custeio assistencial”, explica a gerente de prevenção e assistência da Camed, Maria Sandra Cavalcante. A operadora, que implantou o seu primeiro programa há 27 anos, comemora a participação de mais de 39 mil beneficiários entre janeiro e agosto deste ano.

Na Sul América, o retorno dos recursos para o programa reflete também uma melhoria na qualidade de vida dos beneficiários. A redução do número de complicações por conta da menor quantidade de diárias de internação e de atendimentos em Prontos Socorros resultou em um aumento do nível de satisfação do segurados (94%). Para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), os programas de prevenção de riscos representam o futuro econômico das operadoras. “É uma forma de as operadoras se sustentarem no setor, pois com o envelhecimento dos usuários há um aumento de custos e gastos”, conta a diretora do órgão, Martha Oliveira.

Mas nem sempre é preciso uma grande soma de investimentos para implantação de programas de prevenção de riscos por uma operadora. Na Camed, por exemplo, a equipe e a própria estrutura que o plano de saúde já tem foi usada para o desenvolvimento das ações do Programa Promovendo Saúde, Programa de Prevenção Odontológica, entre outros.

Na Amil, maior operadora de saúde do Brasil, com uma carteira de mais de 5,6 milhões de beneficiários, vários programas de prevenção são adotados desde 1978. Com um banco de dados de mais de 20 milhões de riscos e eventos, Cláudio Tesla, executivo da companhia, explica que 80% dos clientes participam do Estudo de Cobertura de Riscos, criado em 2006, desde a entrada no plano de saúde.

Mesmo com a participação dos usuários e o desenvolvimento de vários programas de saúde, a empresa afirma que não tem por objetivo o viés econômico. “Não temos a intenção de investir nisso como retorno financeiro. Com o nosso conceito médico de gestão, a prevenção é muito lógica. Não tem como o médico fazer gestão em saúde sem atuar em prevenção”, afirma Tesla.

“A cultura da prevenção de saúde é saudável tanto para os hospitais, quando para as operadoras e o próprio beneficiário. As casas de saúde representam a ponta da prestação de serviços da maior parte das operadoras que, somente um trabalho conjunto que, desde já nos dispomos a fazer e a contribuir terá sucesso”, opina o vice-presidente da Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), Francisco Balestrin. Para ele, ainda falta a introdução de incentivos tanto do ponto de vista financeiro quanto regulatório.

Fonte: Portal Diagnóstico Web

Últimas Notícias

Obesidade avança e atinge um a cada seis clie…

21-02-2017 Folha de S.Paulo

Natália Cancian Dados inéditos de um estudo feito pelo Ministério da Saúde e ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) mostram que a proporção de obesos entre usuários de planos de saúde...

Leia mais

Erros e acertos da política da saúde

21-02-2017 Folha de S.Paulo

Marcio Serôa de Araujo Coriolano, presidente da CNSeg, e Solange Beatriz Palheiro Mendes, presidente da FenaSaúde Todos os gestores de saúde do mundo já aprenderam que qualquer equacionamento da atenção privada...

Leia mais

A saúde pública vai de mal a pior

20-02-2017 O Estado de S.Paulo

O exemplo do tratamento do câncer é o dá uma pálida ideia do estado deplorável da saúde pública brasileriaAntonio Penteado Mendonça Não bastasse o estrago causado pela dengue, chikungunya, zika e...

Leia mais

Entrevista - Cenário econômico nacional ating…

20-02-2017 Lenir Camimura

A crise econômica pela qual o país está passando atinge, também, o mercado de planos de saúde. Com o aumento do número do desemprego, os planos de saúde perderam, segundo...

Leia mais

Planos de saúde filantrópicos perdem mais de …

17-02-2017 Lenir Camimura

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou os dados referentes ao número de beneficiários da Saúde Suplementar esta semana. Segundo a Sala de Situação da ANS, no total, as...

Leia mais

Grupos Técnicos da ANS se reúnem nesta semana

13-02-2017 ANS

Nesta semana, três Grupos Técnicos (GTs) coordenados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) se reunirão no Rio de Janeiro para dar encaminhamento a discussões que estão em curso. Na...

Leia mais

Cadastro Fator de Qualidade

10-02-2017 ANS

Prestadores de atenção à saúde, tais como profissionais de saúde, clínicas multiprofissionais e Serviços de Apoio Diagnóstico e Terapia (SADT) têm até o dia 08/03/17 para preencherem o questionário que...

Leia mais

TCU detecta falhas em fiscalizações da Agênci…

08-02-2017 Metrópoles/Agência Brasil

O tribunal observou que não há um programa de atuação “in loco” sistematizado e estruturado, entre outras deficiências Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) para avaliar a atuação...

Leia mais

Aprendendo com os erros e acertos do Obamacar…

07-02-2017 IESS

Por Luiz Augusto Carneiro* Com o governo Trump que se inicia, fala-se no fim do Obamacare e na promessa dos republicanos de substituí-lo por algo melhor. Criado com o objetivo de...

Leia mais

Planos podem ficar insustentáveis

06-02-2017 Correio Braziliense

A saúde suplementar passa por um momento de ajuste. O custo crescente com inovações tecnológicas, desperdícios, remuneração por procedimento e fraudes são os fatores que influenciam o aumento dos gastos...

Leia mais

Plano Popular de Saúde vai demorar para sair …

03-02-2017 Rádio EBC

Para representante da Proteste, que participou do primeiro grupo, no Ministério da Saúde, vai ser muito difícil colocar este plano em ação Plano Popular de Saúde, anunciado pelo governo no ano...

Leia mais

Fator de Qualidade: ANS aguarda dados de hosp…

02-02-2017 Lenir Camimura

Já está correndo o prazo para que os hospitais que atendem planos de saúde preencham o Formulário da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) relativo ao Fator de Qualidade (FQ)...

Leia mais

Notícias ANS

USUÁRIOS

LOCAIS DE ATENDIMENTO

Clique aqui e encontre a localidade mais próxima utilizando a lista de Estados.

COBERTURA

Informações sobre a cobertura da Rede Saúde Filantrópica

FUNCIONAMENTO

Informações sobre o funcionamento do sistema e o acordo das Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde, associadas à Rede Saúde Filantrópica

OBSERVAÇÕES

Observações para a realização de internações e serviços auxiliares de diagnóstico e terapia eletivos.

COBRANÇA DAS CONTAS

Informação sobre o faturamento das contas

TABELA A SER USADA

Informações sobre a tabela a ser utilizada pela Operadora que prestou o atendimento